A LER/DORT é considerada doença profissional, e portanto, o aposentado que comprove que tem a doença decorrente do trabalho, ela se torna doença profissional, e assim tem direito à isenção do imposto de renda.

Muitos se enganam ao pensar que a MOLÉSTIA PROFISSIONAL não entra na isenção do imposto de renda sobre a aposentadoria, pois ao lerem a Lei do imposto de renda, veem só a lista de doenças graves, mas não reparam que a lei também fala em MOLÉSTIA PROFISSIONAL.

Assim, aqueles que comprovam a moléstia profissional, p.ex., por CAT, auxílio-doença por LER, auxílio-acidente por LER, possuem o direito à isenção do imposto de renda e ainda restituir o que pagaram indevidamente retroativo em até 05 anos, dependendo da data da aposentadoria e do comprovação do inicio da moléstia profissional.

Com este entendimento a Receita Federal de Brasília reconheceu a isenção do imposto de renda de nossa cliente, ex-funcionária bancária, que teve LER, e foi reconhecido o vinculo com o trabalho pelo INSS através da CAT e auxílio-doença.